Quero asas de borboleta azul, para que eu encontre o caminho do vento, o caminho da noite, a janela do tempo, o caminho de mim.



(Roseana Murray)



sábado, 6 de março de 2010


"(...)Não gosto de meias-palavras, de gente morna, nem de amar em silêncio. Aprendi que palavra é igual oração: tem que ser inteira senão perde a força. E força não há de faltar porque – aqui dentro – eu carrego o meu mundo. Sou menina levada, sou criança crescida com contas para pagar. E mesmo pequena, não deixo de crescer. Trabalho igual gente grande, fico séria, traço metas. Mas quando chega a hora do recreio, aí vou eu... Escrevo escondido, faço manha, tomo sorvete no pote, choro quando dói, choro quando não dói. E eu amo. Amo igual criança. Amo com os olhos vidrados, amo com todas as letras. A-M-O. Sem restrições. Sem medo. Sem frases cortadas. Sem censura. Quer me entender? Não precisa. Quer me fazer feliz? Me dê um chocolate, um bilhete, um brinde que você ganhou e não gostou, uma mentira bonita pra me fazer sonhar. Não importa. Todo dia é dia de ser criança e criança não liga pra preço, pra laço de fita e cartão com relevo. Criança gosta mesmo é de beijo, abraço e surpresa!


(E eu – como boa criança que sou – quero mais é rasgar o pacote!)"


(Fernanda Mello - Texto Folhinha de Abacate ninguém me combate!)

2 comentários:

Tiabetok disse...

li este livr...gostei muito tbm...
vc tem um maravilhoso gosto para leitura!!!
bjos...
adoro aqui!!!

Tiabetok disse...

ai flor...pq ficou triste =[????

Postar um comentário